contato feminino: o cio da mulher

contatofeminino.tantra.experienciasensorial.prazer.feminino.ciodamulher

Clarissa Pinkolas Estés nos conta no livro Mulheres que Correm com os Lobos (p. 416) que existe um ser que vive no subterrâneo selvagem da natureza de cada mulher. Ela nos conta que essa criatura faz parte da nossa natureza sensorial e, como qualquer animal completo, possui seus próprios ciclos naturais e nutritivos. Essa criatura possui muitos estados podendo ser transbordante de energia em certas horas e submisso em outras, ou curioso e gregário. É um ser sensível a estímulos que envolvam os sentidos como a música, o movimento, o alimento, a bebida, a paz, o silêncio, a beleza, a escuridão.

É este aspecto da mulher que tem cio. O cio da mulher não é voltado exclusivamente para a relação sexual, o sexo é apenas uma parte desse fogo interno, dessa chama interior que cresce e depois abaixa, cresce e abaixa em ciclos. O cio da mulher não é um estado de excitação sexual, mas um estado de intensa consciência sensorial que inclui a sexualidade, mas não se limita a ela.

É por isso que devemos estimular e atiçar nossos sentidos. Acordar esse ser que vive em nosso subterrâneo selvagem. Nos colocar em estado de cio, conscientes de nossos sentidos. As técnicas são variadas, desde meditação até experiências sensoriais literais como cheirar um chocolate e perceber onde este cheiro te leva. Afundar os pés numa cesta de feijões crus. Brincar com óleos essenciais e ervas aromáticas.

O importante é a consciência do sentir. Mas há que se lembrar que os sentidos não são literais e que em nossas experiências não precisamos limitar as possibilidades da vivência ou da criatividade, afinal não vemos apenas com os olhos, não ouvimos apenas com o ouvido, nem tateamos apenas com as mãos, nem despertamos o paladar apenas com a língua.

contatofeminino.sensorial.prazer.ciodamulher.feminino

A meditação também pode ser uma grande chave para abertura dos sentidos, a percepção dos sentidos como um todo. A abstração da singularidade de cada sentido rumo à abstração e consciência de uma totalidade.

O tantra nos ensina uma meditação. Tarananda Sati no seu livro Kaula Tantra nos ensina:

“Sente-se em local confortável, coluna reta, palma das mãos voltadas para cima. Feche os olhos e respire suave e profundamente. Faça uma pequena pausa e uma expiração que estica o tórax com suavidade, alonga. Faça uma pequena pausa e uma longa expiração que mantém a postura com suavidade.

Permaneça assim. Sinta a inspiração e a expiração. Somente sinta, não faça ou pense em nada, focalize sua consciência no sentir. Sentir é o poder da consciência. A percepção focalizada no sentir é uma concentração poderosa, que leva à abstração dos sentidos e ao domínio da mente.

Respire e sinta você. Sinta seu Eu por trás da mente e dos pensamentos. Sinta o Eu como uma testemunha silenciosa que vê, observa e sente.” (p. 166)

Os pensamentos virão, tenha compaixão consigo e com seus pensamentos. Não se critique. Apenas recomece quando for necessário. Tente encarar os pensamentos como um trem que passa, tome consciência da existência do trem, mas tente não embarcar em nenhum dos vagões.

india.tantra.feminino.contatofeminino.

*

ESTÉS, Clarissa PInkolas. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

MARMO, Oswaldo Luiz. Kaula Tantra: a arte do ritual e da magia. São Paulo: Madras, 2006.

texto: branca moura

fotos: raquel luzia

.

!palavra de melinda!

Workshop: a mulher árabe, o ocidente e o oriente

Neste domingo 08/03, dia internacional da mulher, ocorrerá o workshop: a mulher, o ocidente e oriente.
Uma parceria palavra de melinda e estúdio Fadua Chuffi.
Fadua Chuffi, dançarina de descendência libanesa, ensina técnicas da dança do ventre árabe, respeitando as tradições orientais desta dança.
Marcia Dib, pesquisadora e estudiosa da cultura árabe, desconstrói a imagem das odaliscas criada pelo ocidente hollywoodiano.
Branca Moura, maquiadora e pesquisadora de mitologias do feminino, fala e ensina maquiagem árabe como valorização do olhar.
08/03
10h-17h30
Bairro Saúde – Estudio Fadua Chuffi
Dúvidas e contato: faduachuffi@hotmail.com

image

.

!palavra de melinda!

despertar do prazer

Neste sábado acontecerá nosso curso Despertar do Prazer.

O curso é produzido pela empresa feminina Kind e conduzido por Branca Moura e Lola Benvenutti.

O curso é destinado a mulheres que queiram despertar ainda mais o seu corpo para o prazer, que estão em busca da consciência sensorial que seu corpo possa atingir.

Branca Moura conduz a dinâmica incicial, que envolve contação de histórias sobre o feminino, dinâmicas sensoriais e movimentos corporais inspirados na dança do ventre.

Lola Benvenutti desmitifica o sexo. Lola abre uma conversa para despertar em cada participante possibilidades de novos e mais profundos prazeres.

O curso acontece neste sábado, 28.02

das 15h às 19h.

R$ 2x de 160,00 ou 10% à vista.

Vila Madalena/SP

Para inscrições: contato@akind.com.br

Captura de tela 2014-11-19 às 02.02.58

Confira galeria de fotos do nosso último encontro:

(fotografia Raque Luzia)

Este slideshow necessita de JavaScript.

.

!Palavra de Melinda!

correio feminino: ausência

Entre tantos barcos sem rumo, cais do porto se consola com as ondas batendo em si.

Entre tantos braços sem abraço, corpo acredita que o vento veio abraçar.

Na falta de atenção, qualquer olhar é colo.

Qualquer palavra é poema.

Qualquer afeto é amor.

Na esperança de dar certo qualquer reticência alimenta.

ausencia

texto e fotografia: Laís Gouveia

Tanto Mar Fotografia

.

!Palavra de Melinda!

correio feminino: Para “mulheres machistas”

Homem, você não pode chorar.

Não demonstre fraqueza, não demonstre sua sensibilidade, nem pense em lacrimejar.

Não deixe que a dor da perda ou a dor de um fim apareça pra mim.

Eu não quero um homem bruto, mas também não quero um homem fraco.

Homens não choram, você não sabia desse trato?

Apenas me veja chorar, só eu posso me desmantelar.

Mulher é que é sexo frágil, nunca ouviu falar?

Engole o choro, não quero que meu filho aprenda.

Quero que ele seja macho, como pede a encomenda.

Agora vai, abre a porta pra mim, você tem que ser cavalheiro.

Ou pensa que eu vou mudar a história de um mundo inteiro?

para as mulheres machistas

texto e fotografia: Laís Gouvea

Tanto Mar Fotografia

.

!Palavra de Melinda!